Um pouco da história do Rock Brasileiro

Definitivamente, o rock é o gênero musical mais popular em todo o mundo. Segundo historiadores, o marco zero do rock aconteceu em julho de 1954 com Elvis Presley. Em pouco tempo, a onda logo chegou ao Brasil e, do lado de cá, não existe um consenso em relação ao início do rock; porém, muitos consideram a gravação da versão de “Rock Around The Clock”, pela cantora cantora Nora Ney, em 1955, como o marco inicial. 

Passando por Cauby Peixoto, Roberto Carlos, Raul Seixas, Secos e Molhados, Mutantes e tantos outros do início do rock no Brasil, vamos direto para os anos 80, quando o rock como conhecemos hoje realmente surge e finca de vez suas raízes na cultura popular brasileira.

Com o rock dos anos 80, os jovens, que cresceram nos anos 1970 durante a ditadura militar, finalmente puderam se expressar. Foi um grito de liberdade. Para o historiador Daniel Cantinelli Sevillano, “O rock exerceu esse papel da mesma forma que a MPB foi o canal de expressão da juventude mais politizada dos anos 1960”.

Em 1982, o Circo Voador chega ao Arpoador e, a partir daí, inicia a “Década de Ouro” do rock nacional. Neste mesmo ano, as bandas Blitz e Barão Vermelho lançam aqueles que são considerados os primeiros discos de rock gravados por bandas surgidas naquela geração: “As Aventuras da Blitz” e “Barão Vermelho”. Neste momento, pontua-se o surgimento do movimento BRock ou, simplesmente, “rock brasileiro”. No ano seguinte, é a vez dos Paralamas do Sucesso. Já em São Paulo, em 1984, os Titãs lançam o primeiro disco.

Circo Voador, Lira Paulista, Madame Satã, entre outras casas de show, foram importantíssimas para a formação do cenário rock da época. Mas outra coisa que também ajudou na popularização do rock no país foram os filmes que fizeram grande sucesso entre os jovens: “Bete Balanço”, de 1984, “Rock Estrela”, de 1985, e “Rádio Pirata”, de 1987; todos os três tinham trilhas sonoras repletas de bandas de rock como Titãs, RPM, Leo Jaime, Barão, entre outros.

Se casas de shows, rádios e cinema foram importantes, mais ainda foi o programa do Chacrinha, na Rede Globo. Este tornou-se a principal plataforma de divulgação para a cena pop rock dos anos 80, recebendo Cazuza, Legião, Paralamas, Engenheiros, Lobão etc, nas tardes de sábado para fazerem aquele playback hilário com performances épicas.

As bandas mais cultuadas da época formam um Quarteto Sagrado: as bandas cariocas Barão Vermelho, liderado na época por Cazuza e Roberto Frejat, e Paralamas do Sucesso; os paulistanos dos Titãs e Legião Urbana, de Brasília, liderado por Renato Russo.

Em São Paulo, além dos Titãs, surgiram outras bandas importantes como Ultraje a Rigor, Irã! e RPM, que gravou o disco “Rádio Pirata Ao Vivo” e foi recordista de vendas – de qualquer gênero – no Brasil

Em Brasília, o Aborto Elétrico (em que Renato Russo tocara) gerou a Legião Urbana, que lançou o primeiro trabalho fonográfico em 1985. Na capital federal, eram os jovens de classe média e alta, representados por filhos de diplomatas e professores da Universidade de Brasília (UNB) que podiam viajar para o exterior e trazer as novidades musicais. Capital Inicial e Plebe Rude também saíram desse mesmo contexto. 

Na Bahia, chegou ao sucesso o Camisa de Vênus, banda de Marcelo Nova. Do Rio Grande Sul emergiram os grupos TNT, Nenhum de Nós e Engenheiros do Hawaii. O Rio de Janeiro exportou Biquini Cavadão, Hanoi Hanoi, Uns e Outros e Sempre Livre. 

Outros grupos ficaram marcados pelo grande sucesso que também fizeram na época: Heróis da Resistência (liderada por Leoni, ex-Kid Abelha), os cantores Kiko Zambianchi, Celso Blues Boy e Fausto Fawcett, João Penca & Seus Miquinhos Amestrados, Kid Abelha & os Abóboras Selvagens, Magazine, Lulu Santos, Brylho, Camisa de Vênus, Radio Taxi, entre outros.

A segunda metade da década de 80 teve momentos extremamente marcantes e importantes para a história da música brasileira. Um é o surgimento do Rock In Rio, que tornou-se o maior concerto de rock de todos os tempos e divulgou as bandas do rock nacional para milhões de pessoas. Entre 1985 e 1986, foram lançados três álbuns considerados grandes marcos na música brasileira: Dois (Legião Urbana), Selvagem? (Paralamas do Sucesso) e Cabeça Dinossauro (Titãs). 

Algumas bandas se desfizeram, grandes nomes viajaram para outro plano, e muitos ainda resistem até hoje influenciando novas gerações e fazendo história. São estes que continuam merecendo todo nosso respeito e é a eles que dedicamos este projeto.

Rock Brasil 40 anos é uma grande homenagem ao rock brasileiro e visa incentivar a nova geração a produzir e contribuir com esse gênero musical tão importante para a construção da história do país.

Deixe seu comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado.

Escreva e pressione ENTER para pesquisar