Prïnceps inova misturando beats eletrônicos ao rock em suas composições

Com uma obra crescente na 152 Records, a banda de Londres de electro rock Prïnceps está pronta para fazer grandes coisas. Enquanto seu repertório é um explorador destemido de sons que abrangem gêneros, o último lançamento da dupla, “Saints”, mostra mais uma obra em seu variado leque musical: eletrônica/downtempo.

Abrindo com um arranjo minimalista e amigável ao rádio de graves profundos, chutes fortes e voz melódica, a faixa logo se encaixa em uma passagem eletrônica, perfurada por tons vocais variados e riffs tumultuados para criar um hit híbrido engenhoso. “Eu nunca disse, já faz um tempinho, pensei alto, acho que é tarde demais para me desculpar, eu ando por aí, eu ando por aí … Estamos sem luz” insiste o cantor Renz Byrne, prenunciando o passeio selvagem que o ouvinte está prestes a enfrentar.

Marko Press, baixista e produtor da banda, centraliza a composição em torno do baixo dedilhado para criar uma paisagem sonora não muito diferente da casa de música techno tradicional, mas ainda assim estonteante para garantir que o single esteja repleto de surpresas até o final.

Consequentemente, “Saints” é uma experiência e tanto e sem dúvida fará com que os ouvintes fiquem ansiando pelo retorno dos clubes; afinal, faixas como essa são feitas para serem tocadas em alto volume!
Com sua mistura contrastante de alta energia, letras niilistas e sombrias, talvez Prïnceps seja a banda perfeita para esta nova era com sua paisagem em constante mudança.

Conversamos com a banda sobre sua trajetória, influências musicais, processo de composição, entre outras curiosidades. Confira a entrevista!

De onde surgiu o nome “Prïnceps”?
A ideia do nosso nome vem de um videogame que costumávamos jogar, um jogo sobre o Império Romano.

Quem são Prïnceps? E de onde vocês são? Qual é a história do duo, como vocês formaram a banda?
Prïnceps é uma banda de rock eletrônico composta por Renz e I (Marko). Fazemos sons adequados para serem consumidos pela maioria, mas que podem ser apreciados por todos. Nós nos conhecemos há vários anos, costumávamos tocar juntos em outra banda no passado. Quando a banda estava se separando, decidimos começar uma nova aventura juntos, e aqui estamos.

De onde veio a ideia e a inspiração de misturar diferentes gêneros musicais em suas composições?
Quando começamos esta banda, decidimos estar prontos e abertos para ver para onde iremos, sem limitar o processo criativo.
Nós apenas seguimos o fluxo e esse é o resultado que tivemos: uma mistura de gêneros eletrônicos com um DNA do rock.

Diga três palavras que você usaria para descrever sua música?
Caos, Anarquista, Harmonioso.

Vocês continuam a  promover seu último lançamento, o single “Saints”. Como foi o processo de gravação do single?
Foi um processo curto. Eu (Marko) fiz a batida em uma noite e tive uma ideia para a melodia. Só na hora de escrever a letra e a música estava pronta!

Suas músicas mostram muita intensidade e entrega por parte da dupla. Existe alguma composição mais especial para vocês?
“Nostalgia” e “Today is a Day”. Nós os escrevemos durante o lockdown, foi um momento tão incomum e assustador … não foi fácil organizar uma sessão de gravação. Mas no final entregamos duas músicas intensas que nos deixam orgulhosos do nosso projeto musical.

Que bandas e fontes artísticas inspiram o som do Princeps?
Bring Me The Horizon e The prodigy.

Podemos esperar mais material novo em breve?
Talvez quem sabe. As habilidades criativas não têm regras.

Deixe seu comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado.

Escreva e pressione ENTER para pesquisar