A obra de Van Gogh através da letra de “The Starry Night” do Perc3ption

O Heavy Metal tem um de seus principais pilares artísticos a criação de narrativas grandiosas e profundas que relatam feitos de bravura e conquistas, passagens icônicas da história ou relembram grandes nomes que marcaram época.

No Brasil, o Perc3ption é um dos exemplos mais evidentes da riqueza lírica que uma obra de Heavy Metal pode carregar, reverenciando em suas letras personagens icônicos como Desmond Doss e Ernest Shackleton, passando pelas teorias de Viktor Frankl e por momentos marcantes da Segunda Guerra Mundial.

Com uma carreira sólida baseada especialmente em seus dois primeiros excelentes álbuns de estúdio, lançados em 2013 e 2016, o Perc3ption, formado por Kleber Ramalho nos vocais, Glauco Barros e o estreante Vandré Nascimento nas guitarras, Wellington Consoli no baixo e Alessandro Kelvin na bateria, chegou em 2023 ao seu terceiro álbum de estúdio, que vem sendo aclamado pelo público e pela crítica nacional e internacional como o melhor trabalho da banda até então.

Na música “The Starry Night” mais especificamente, um épico de quase 13 minutos de extensão, a banda vivencia em primeira pessoas alguns dos momentos da trajetória de um dos maiores artistas contemporâneos, Vincent van Gogh, que iremos explorar mais profundamente através desta matéria.




Vincent van Gogh foi um conceituado artista pós-impressionista dos Países Baixos, aclamado especialmente por sua abordagem artística expressiva e emotiva. Nascido em 1853, Van Gogh inicialmente envolveu-se com ocupações comerciais antes de descobrir sua verdadeira vocação como artista. Durante sua trajetória, Van Gogh produziu uma imensa coleção de pinturas e obras notáveis, muitos dos quais são ícones na arte mundial até os dias de hoje.

Ouça a música abaixo:

“Walk with me. See the world I see. The deep essence of every detail. I’m in with all my heart. The nature that colors the world. Seems so wonderful. From groundwater to grass roots”

“Caminhe comigo. Veja o mundo como eu vejo. A essência profunda de cada detalhe. Estou entregue de corpo e alma. A natureza que colore o mundo parece tão maravilhosa. Desde as águas subterrâneas até as raízes da grama.”

A obra de van Gogh é amplamente reconhecida por suas pinceladas vigorosas e cores intensas, que buscavam capturar não somente a representação fiel de um objeto, mas também as emoções e sua essência subjacente. Van Gogh comumente retratava paisagens, retratos e cenas cotidianas, infundindo-os de uma profundidade emocional única. Suas obras mais conhecidas incluem “Noite Estrelada”, “Quarto em Arles”, “Homem Velho com a Cabeça em Suas Mão” e “Girassóis”.

“Like a sky. With a thousand suns. Is burning inside. My restless mind”.

“Como um céu. Com mil sóis. Está queimando por dentro. Minha mente inquieta”.

Apesar de toda sua influência no decorrer das décadas seguintes, Vincent Van Gogh enfrentou considerável anonimato e dificuldades financeiras durante boa parte de sua vida, lutando contra condições mentais adversas e desafios pessoais, além de sua relação conturbada com o colega e artista Paul Gauguin, que culminou em um episódio em que Van Gogh cortou uma parte de sua própria orelha.

“I’m so broken that I can feel it. Why can’t people accept me as I am? Though seeing, they don’t see. But a grain of madness is the best of art”.

“Estou tão quebrado que consigo sentir. Por que as pessoas não podem me aceitar como sou? Embora vejam, não enxergam. Mas um grão de loucura é o melhor da arte.”

“Sorrowing Old Man”, ou “Homem Velho com a Cabeça em Suas Mãos” como ficou conhecida no Brasil, é uma pintura tocante de Van Gogh feita em 1890. Nesta obra, um homem idoso curvado e vestido com roupas humildes repousa sua cabeça entre as mãos, exibindo um rosto marcado pela tristeza e reflexão. As pinceladas ousadas e expressivas de Van Gogh dão forma a uma figura que parece esculpida, carregando a intensidade do sofrimento emocional que ele queria transmitir. A obra, feita durante seu tempo em Auvers-sur-Oise, na França, ecoa a busca de Van Gogh por uma arte mais autêntica, capturando a dignidade e a seriedade da vida por meio da expressão solitária e melancólica do homem idoso em sua angustiante solidão.

“Brother, I smell the scent of my give up. Life has become black for me. I don’t know. I feel certain that I’m sick again. I must have peace. I shan’t recover this time. Forgive me brother, forgive me”.

“Irmão, eu sinto o cheiro da minha rendição. A vida se tornou negra para mim. Eu não sei. Sinto certeza de que estou doente novamente. Preciso de paz. Não me recuperarei desta vez. Perdoe-me, irmão, perdoe-me.”

“Sunflower”, ou “Girassóis”, é uma série de pinturas icônicas de Van Gogh, criada durante o verão de 1888 em Arles, na França. A série inclui várias variações da mesma composição, retratando vasos de girassóis em diferentes estados de floração e arranjo. Van Gogh explorou intensamente a natureza efêmera das flores e a interação única entre as cores vibrantes, especialmente os tons de amarelo e azul. Essas pinturas são emblemáticas do estilo distintivo de Van Gogh, caracterizado por pinceladas enérgicas e expressivas que capturam tanto a essência das flores quanto a intensidade emocional do artista. “Girassóis” é um testemunho da abordagem pessoal e emocional de Van Gogh à pintura, revelando sua paixão por transmitir a beleza e a vitalidade da natureza por meio de sua arte.

“Look at this tones. Of green in the grass. The sun set red. Behind the pine trees”.

“Olhe para esses tons. De verde na grama. O pôr do sol vermelho. Atrás dos pinheiros.”

“Noite Estrelada” é uma das pinturas mais emblemáticas de Van Gogh, criada em 1889, enquanto ele estava internado em um asilo em Saint-Rémy-de-Provence, na França. A obra é uma representação única e comovente do céu noturno, onde espirais e ondas de tinta azul profundo e um turbilhão de estrelas brilhantes criam um senso de movimento celestial. O vilarejo abaixo, iluminado por uma luz amarelada, contrasta com o céu intenso e profundo. Van Gogh aplicou suas pinceladas características de forma a transmitir sua própria experiência emocional e mental, expressando tanto a tranquilidade quanto a agitação interna. “Noite Estrelada” é uma síntese do estilo distintivo de Van Gogh e sua busca por capturar a essência emocional da realidade, tornando-se uma das obras mais reconhecidas e reverenciadas na história da arte.

“See all these blues. In the butterflies. The firefly lamps are on. My life’s full. The starry night is above everything”.

“Veja todos esses azuis. Nas borboletas. As lâmpadas das vaga-lumes estão acesas. Minha vida está plena. A noite estrelada está acima de tudo.”

“Wheat Field with Crows”, ou Campo de Trigo com Corvos, é uma das últimas pinturas de Vincent van Gogh, concluída em 1890, pouco antes de sua morte. A obra retrata um vasto campo de trigo dourado sob um céu tumultuoso, povoado por corvos voando em círculos. A cena tem uma forte carga emocional, com as tradicionais pinceladas vigorosas de Van Gogh criando uma incrível sensação de movimento. A pintura é frequentemente interpretada como uma expressão visual dos sentimentos conflitantes e das lutas internas do artista, que sofria com grandes desafios emocionais e psicológicos. O céu sombrio e os corvos em voo também têm sido associados a temas de mortalidade e transcendência. “Campo de Trigo com Corvos” é uma obra carregada de simbolismo e emoção, representando o estilo único e a abordagem comovente de Van Gogh na arte.

“From the depths of the oceans and time. Where things might not go as planned. To the unbelievable feeling of being alone. I know nothing with any certainty. But the sight of the stars makes me dream”.

“Das profundezas dos oceanos e do tempo. Onde as coisas podem não sair como planejado. Para a sensação inacreditável de estar sozinho. Eu não sei nada com certeza. Mas a visão das estrelas me faz sonhar”.

Lamentavelmente, Van Gogh tirou a própria vida em 1890, com apenas 37 anos de idade. No entanto, sua obra deixou uma marca indelével no mundo da arte, influenciando inúmeras gerações de artistas e se tornando um símbolo de criatividade apaixonada e intensidade emocional.

“A grain of madness is the best of art”.

“Um grão de loucura é o melhor da arte”.

Saiba mais sobre a banda e acompanhe todas as suas novidades através do Instagram @perc3ptionband e @hellyeah_music. O álbum e a camiseta da banda podem ser adquiridos através do site www.perc3ption.com/store/art-in-extreme-situations-pre-venda/