Fuzz On Discos lança debut do Krisiun pela primeira vez em vinil

“Black Force Domain”, álbum de estreia do Krisiun, foi originalmente lançado em CD em 1995 e nunca havia saído em vinil

A Fuzz On Discos, que agrupa a Anomalia Distro, Melômano Discos e Neves Records, abriu a pré-venda para o lançamento em vinil de “Black Force Domain“, álbum de estreia do Krisiun. O LP, em vinil vermelho, traz encarte e bônus de “Total Death” do Kreator. A Fuzz On informa que as 100 primeiras cópias da pré-venda, com envio programado para o dia 5 de junho, virão também com um slipmat (feltro) exclusivo.O baterista Max Kolesne recorda que o primeiro disco do Krisiun foi gravado “em São Paulo na raça, inspirado no ódio e no espírito de revolta e vingança contra tudo e todos”. Segundo Max, o repertório é carregado de fúria, velocidade, agressão. “Subversivo, técnico, caótico e cru, ‘Black Force Domain’ não só definiu nosso estilo, mas quem é o Krisiun. Por isso, sempre estará entre meus prediletos e será fonte de inspiração para cada novo trabalho do Krisiun. Espero que continue inspirando as novas gerações que não seguem modas. E, claro, estamos muito felizes com o lançamento em vinil no Brasil!”, acrescentou.

Gravado por Alex Camargo (vocal e baixo), Moyses Kolesne (guitarra) e Max Kolesne (bateria) no Army Studios (SP), o debut sucede o EP “Unmerciful Order” (1994). Lançado originalmente em CD pela Dynamo Records no Brasil e relançado pela alemã Gun Records em 1997, “Black Force Domain” é motivo de orgulho para a cena do metal extremo brasileiro. “Revolucionário! Tomou de assalto toda a cena do death metal mundial. Um dos meus discos favoritos de todos os tempos. Percebe-se até hoje a quantidade de bandas que seguiram a mesma linha e proposta, todos fortemente influenciados pelos ‘três diablos’!”, declarou o baterista Edu Lane (Nervochaos) certa vez à revista Roadie Crew.

O guitarrista Moyses Kolesne recorda que “Black Force Domain” foi gravado no estúdio Army, que tinha o ex-guitarrista da banda Salário Mínimo, Arthur Crom, como um dos sócios e depois lançou, como selo, o primeiro trabalho do vocalista Edu Falaschi no Split-LP Mitrium e Sweet Pain. “Gravamos nos estúdio Army através de uma permuta que o Eric de Haas tinha com o dono. Ganhamos duas semanas, sendo uma para gravar e a outra para mixar. Então, gravamos guitarra e bateria ao vivo já valendo, sem overdubs, e somente botamos umas dobras e solos depois junto com baixo e vocal. Por sinal, usamos aquela famosa bateria do fogo da Luthier Drums, do Tibério Correa (Harppia), que Exciter, Venom, Metallica e Sepultura já tinham tocado. Gravamos em dezembro de 1994 e depois tivemos que esperar até fevereiro de 1995 para mixar e finalizar algumas coisas”.




Se no Brasil ainda ninguém entendia muito do death metal mais moderno e com mais técnica de blast beats, dois bumbos, bomb blast  e outros elementos, o Krisiun sofreu, segundo Moyses, pela falta de informação. “A garra e vontade superaram as adversidades e esse álbum abriu as portas para o Krisiun. Depois de lançado, começaram a aparecer os caras da Flórida falando que era um dos melhores álbuns de 1995. Saiu na Metal Maniacs, RIP, Metal Forces e outras revistas. Trey Azagthoth, do Morbid Angel, fui umas das pessoas que ajudou muito, botando o ‘Black Force Domain’ no topo dos melhores álbuns para eles naquela época”, concluiu o guitarrista.

Pré-venda: https://www.fuzzondiscos.com.br/produtos/pre-venda-krisiun-black-force-domain/

Site relacionado: https://www.fuzzondiscos.com.br/